O NATAL DE JESUS

Não houve lugar para acolher Jesus na hospedaria. Numa manjedoura, onde se punha a ração dos animais, foi deitado o bebê enrolado em panos.

Quem é esse menino? É o Salvador, que há cerca de dois mil anos concordou nascer ali, desprovido de tudo. Nós, membros de Sua igreja, sabemos que Ele veio salvar a todos os homens de boa vontade, que recebem, pela Sua graça, a salvação de suas vidas.

Isaías nos revela verdades a respeito dele 700 anos antes de seu nascimento: "Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel" (Isaías 7:14).

Em nenhuma outra religião há uma profecia como as das Escrituras sobre Jesus. Nada em absoluto, sobre Buda, Confúcio, Maomé, Lao-Tse. Na Bíblia, no entanto, há mais de 200 profecias sobre Cristo, muitas já cumpridas.

Veja Miquéias 5:2: “E tu Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade".

Jesus nasce em Belém. Cumpre-se a profecia! Coincidência? Não. E por que? "Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16). "E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele" (1 João 4:16).

A igreja, que hoje goza do amor de Deus, conhece e crê. Revelado foi aquele que "no princípio era o Verbo...” É Natal! Jesus nasce em um ponto no tempo; aquele que já era na Sua preexistência, antes de qualquer ato de criação. E por que assim tão humilde, sendo a Luz que resplandece nas trevas? Para ser modelo do cristão, de quebrantamento, humildade e amor. É Natal! Um anjo aparece aos pastores no campo durante as vigílias da noite, a glória do Senhor os cerca de resplendor. A notícia é de grande alegria não só para eles, mas para todo o povo: "É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor". Uma multidão dos exércitos celestiais aparece louvando a Deus e dizendo: "Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem". Os pastores vão e veem Jesus na manjedoura. "O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória do unigênito do Pai” (João 1:14). “Vendo-o, divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito do menino”. “E voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora anunciado” (Lucas 2:17-20).

Quem este menino na manjedoura realmente era? Um grande homem? Bem mais que isso; era o criador das galáxias, que trouxe à existência uma por uma das estrelas. Era o próprio Deus, a segunda pessoa da Trindade. E nós? Temos visto o Messias prometido? Sim, temos visto. Então, divulguemos o Seu nome. Os 200 milhões de brasileiros pouco sabem a respeito dele. Talvez saibam mais sobre Papai Noel, presentes e comidas do que o verdadeiro sentido do Natal. Eles precisam de nós para receberem a tão gloriosa notícia do amor de Deus expresso em Cristo.

Abílio Chagas